Blog Sertão Poeta, Anuncie!

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Só a natureza ensina, Tudo isso e muito mais

Só ela tem o poder
De ensinar sem mensagem
O castor fazer barragem
Depois do riacho encher
O papagaio saber
Falar usando as vogais
E ticaca os animais
Atacar com a urina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

O bote da sucuri
Imobiliza a pessoa
Pato atravessa a lagoa
Sem precisar jet ski
O pequeno colibri
Voa pra diante e pra trás
E pras dores estomacais
O sagüi comer rizina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

O pavão pra desfilar
Não faz dieta e nem lípo
E o pica-pau sabe o tipo
Do pau que pode cortar
Entrar na água e pescar
Só o socó é capaz
E o mel que a abelha faz
É melhor que mel de usina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

Procurando melancia
A raposa encontra a rama
E a porca prepara a cama
Na noite que vai dar cria
Todo macaco assovia
Se pendura e faz sinais
E a flauta dos sabias
Ninguém ver quem é que afina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

O rato mora no teto
O peba cava buraco
Capote diz que esta fraco
E preguiça dorme direto
João de barro é arquiteto
Das construções naturais
Sem comprar matériais
Começa a casa e termina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

O cachorro não revida
O ataque das caiporas
O jumento das as horas
E a burra nunca engravida
Sem nunca tomar na vida
Anticoncepcionais
E pras crises pré-menstruais
O organismo elimina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

O gato fica valente
Quando ver o vira lata
E o escorpião se mata
Quando ver fogo na frente
O grilo trila e não sente
Dores nas cordas vocais
O urubu come quem jaz
Sem nojo da fedentina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

Destruindo as plantações
Os insetos são famintos
E a galinha esconde os pintos
Com medo dos gaviões
Os tigres e os leões
No safári são rivais
E cururu evita o caís
Porque no mar tem salina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

Mesmo sem ser refletor
No vaga-lume a luz sobra
Boa de briga é a cobra
Acrobata é o condor
A perdiz fica da cor
Das folhas dos vegetais
Temendo os tiros mortais
Do cano da lazarina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

Perigosa é a hiena
Por ser covarde e cruel
O tejo mata cascavel
Brigando e não se envenena
A barata tem antena
E não sintoniza canais
E quem foi que disse aos pardais
Que as frutas têm vitaminas
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

A natura faz escolha
E ensina tudo sem magoa
Peixe mergulhar na água
Que chega a água faz bolha
No canto aonde tem folha
Formiga corre atrás
Avestruz correr demais
E não consumir gasolina
Só a natureza ensina
Tudo isso e muito mais.

Autor: Raimundo Nonato e Nonato Costa

terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

A POESIA SEGUNDO DEDÉ MONTEIRO

EXPLICAR A POESIA
NINGUÉM CONSEGUE EXPLICAR.
É MAIS PESADA QUE O CHUMBO,
É LEVE IGUALMENTE O AR...
É FINA COMO CABELO,
É BELA COMO O LUAR!
TOCA NA ALMA DA GENTE
FAZENDO RIR OU CHORAR
FAZ A TRISTEZA MORRER
E O SONHO RESSUSCITAR
A POESIA É TÃO SANTA
QUE, QUANDO UM POETA CANTA,
DEUS PÁRA PRA ESCUTAR!
E, PRA TERMINAR, MEU HINO,
A POESIA, SEU MENINO,
COMO TUDO O QUE É DIVINO
NÃO DÁ PRA GENTE PEGAR...
SE EU PEGASSE A POESIA,
PORTA EM PORTA SAIRIA
IGUAL AO MENDINGO FAZ
PEDINDO NÃO, DANDO ESMOLA,
TOCANDO A MINHA VIOLA
CANTANDO A CANÇÃO DA PAZ.

Autor: Dedé Monteiro

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

AS QUATRO VELAS

Quatro velas ardiam sobre a mesa,
E falavam da vida e tudo o mais.
A primeira, tristonha: “Eu sou a PAZ,
Mas o mundo não quer me ver acesa…”

A segunda, em soluços desiguais:
“Sou a FÉ! Mas é triste a minha empresa:
Nem de Deus se respeita a Realeza…
Sou supérflua, meu fogo se desfaz…”

A terceira sussurra, já sem cor:
“Estou triste também, eu sou o AMOR…
Mas perdi o fulgor como vocês…”

Foi a vez da ESPERANÇA – a quarta vela:
“Não desiste ninguém! A Vida é bela!
E acendeu novamente as outras três!

Autor: DEDÉ MONTEIRO
Tabira, 12/02/2009
Fonte:Blog do Belmontense

A CORUJA COCHILA NA BIQUEIRA, DO ALPENDRE DA CASA ABANDONADA

Ela hoje ta muito diferente
Rodeada de mato e de tristeza
Não tem mais um talher na sua mesa
Nem um dono sentado em seu batente
Não parece que ali já morou gente
Está suja quem antes foi zelada
O capim tomou conta da calçada
Veio um vento e torou a cumieira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

O passado serviu de moradia
Entregou-se pra mera solidão
Quem for lá visitar o casarão
Vai passar muitas horas de agonia
Na dispensa só tem uma bacia
E uma mala de couro empoeirada
E uma porta que resta é desbotada
Que nem dar pra pensar que é de madeira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

Ainda resta nas brechas de um bueiro
Maribondo caboclo pendurado
Os morcegos voando no telhado
E as raposas rondando no terreiro
Num cambito de pau de marmeleiro
Uma corda de couro pendurada
Uma espora já toda enferrujada
E uma manta coberta de poeira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

Ainda tem duas bandas de um pilão
E as borrachas de um resto de ancoreta
Uma mesa quebrada sem gaveta
E os pedaços jogados pelo chão
Encostado a parede do oitão
Quatro paus segurando uma latada
Uma maquina mimoso desprezada
E duas alças de um resto de peneira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

Ainda tem nos recantos da cozinha
Uns pedaços de um resto de consolo
A caqueira pequena de assar bolo
E uma cuia quebrada sem farinha
Lá na sala ainda tem uma quartinha
Que seu dono deixou mais ta quebrada
Uma lata de zinco já furada
Com um pedaço de pau de goiabeira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

Ainda achei as guardapas de uma sela
Penduradas no torno da parede
E os pedaços de pano de uma rede
Que seu dono com sono dormiu nela
Lá no quarto ainda tinha uma janela
Que com sol e com chuva foi rachada
E uma calça de mescla remendada
Que seu dono usou pra ir a feira
A coruja cochila na biqueira
Do alpendre da casa abandonada

Aldo Neves
Fonte: Fonte: Blog do Poeta Felipe Júnior

DEPOIS QUE A MISSA TERMINA

Fica no templo somente
O sacristão zelador
Endireitando o andor
Pra usá-lo novamente;
Fica um cego no batente
Tocando uma concertina,
Se uma moeda retina
Ele diz: Deus abençoe!
Mesmo sem saber quem foi
Depois que missa termina.

Uns dois ou três batizados;
As portas entre abertas;
Duas meninas espertas
Arrumando seus trocados.
O padre faz simulados
E com o sacristão combina,
Pra mostrar como se ensina
Pedir trocado em Igreja,
E o padre rindo, festeja
Depois que a missa termina.

O zelador atrasado
Limpa a Igreja ligeiro,
Deposita no lixeiro
Papel, chiclete mascado, ...
Depois põe tudo ensacado
Todo o lixo da faxina
Põe o saco na esquina
Pro carro depois levar
E só volta a arrumar
Depois que a missa termina.

Menino na escadaria
Sacristão correndo atrás;
Um candeeiro de gás
Que bem pouco alumia.
Com a Igreja vazia
O padre tira a batina.
Chega uma irmã vicentina
Querendo se confessar,
Vendo a porta se fechar
Depois que a missa termina.

A noite chega de vez
E envolve com sua sombra;
Um pinto novo se assombra
Com uma galinha pedrês;
Um casal de camponês;
Um cheiro se dissemina,
É a ceia nordestina
Saborosa com certeza,
Porém só é posta a mesa
Depois que a missa termina.

A dupla de cantadores
Canta num pé-de-parede;
Um velho arma uma rede,
Reclama de suas dores;
Um grupo de rezadores
Uma novena combina;
Alguém discerra a cortina
Da porta da sacristia,
Fica a igreja vazia
Depois que a missa termina.

O grupo de jovem sai
E casais em saudação;
O padre leva sermão
De um amigo do seu pai;
Uma velhinha que vai
Fazer sua reza divina,
Com o rosto e a pele fina
Quase revelando o osso,
Mas tira a nota do bolso
Depois que a missa termina.

O padre leva o dinheiro
Pra casa paroquial
E um coroinha mal
Pega uma moeda ligeiro.
Vai correndo pro oiteiro
Em direção da cantina
Compra rapadura fina
Pra comer com pão bem cedo,
E tudo fica em segredo
Depois que a missa termina.

Um homem bem elegante
Faz a sua doação,
O padre dá gratidão
Pelo seu gesto operante.
E ele todo falante
A uma pobre se destina,
Era a dona Severina
Que passou de sua hora
E bota a pobre pra fora
Depois que a missa termina.

E reina um silêncio orante
Na velha Igreja barroca;
Na porta uma velha moca
Quer confessar neste instante;
Alguém no auto-falante
Faz a prece vespertina;
Na calçada uma menina
Risca com caco de telha;
O sol apaga a centelha
Depois que a missa termina.

Um casal de namorados
Felizes e sorridentes,
Namorando nos batentes
Conversam de braços dados.
Dois homens embriagados
Falam alto na esquina;
Cai uma rala neblina
De uma nuvem passageira
Para apagar a poeira
Depois que a missa termina.

O sino não faz abalo
Como uma prece propondo
E um casal de maribondo
Pousa em cima do badalo;
O travão dá um estalo
Que estremece a campina;
Por trás da verde colina
O sol esconde seu rosto
E a lua assume seu posto
Depois que a missa termina.

O padre na sacristia
Recolhe seus paramentos;
No oitão quatro jumentos
Que servem de montaria;
Reza uma Ave-Maria
Uma velha bem franzina,
Depois de rezar se inclina
Fazendo o sinal da cruz
Beija o santo e apaga a luz
Depois que a missa termina.

Os morcegos esvoaçam
Fazendo belas manobras;
Entre as linhas duas cobras
No cio se entrelaçam;
Duas lagartixas passam
Por cima da ripa fina;
Debaixo da sarafina
Sai uma “briba” cinzenta,
Pois ela só se apresenta
Depois que a missa termina.

Num canto do santuário
Um presépio de natal;
Duas velhas falam mal
Da pregação do vigário.
Outra recita o rosário
Que aprendeu quando menina.
O sacristão diz: Firmina,
Deixe pra rezar depois!
Ficam discutindo os dois
Depois que a missa termina.

O padre soma a quantia
Da coleta do domingo;
Aquele velho mendigo
Recolhe sua bacia.
Um silêncio contagia
A cidade pequenina,
Reina uma paz divina
E uma santa solidão.
Isso se vê no sertão
Depois que a missa termina.

Brás Costa e Felipe Júnior
Fonte: Blog do Poeta Felipe Júnior