Blog Sertão Poeta, Anuncie!

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Amante da natureza

Eu sou um apaixonado
Amante da natureza
Eu cuido das minhas plantas
Com todo teor de pureza
Meu jardim meu paraíso
Minha fonte de riqueza

Planto a semente na terra
Eu rego, E ela germina
Nasce, cresce bota frutos
Igual a uma moça menina
São coisas da natureza
São obras da mão divina

Paquero as flores das plantas
Namoro os frutos maduros
Sou noivo da natureza
Casado com o futuro
E vivo no paraíso
Em lua de mel com o ar puro

A água é sangue, é vida
Que através da chuva se lança
Deixando as nossas florestas
Alegres que nem criança
Transformando a paisagem
No verde da esperança

Autor: José Milto (Miltinho)
Da comunidade do Carro Quebrado - Triunfo - PE

terça-feira, 22 de novembro de 2011

QUANDO EU LIGO PRA VOCÊ

QUANDO EU LIGO PRA VOCÊ
EU FICO A ME PERGUNTAR
POR A ALEGRIA E A TRISTEZA
VEM JUNTAS PRA ME APERRIAR
POIS FICO ALEGRE QUANDO LIGO
E TRISTE QUANDO VOU DESLIGAR

Mario Almeida

VAQUEJADA É MEU ESPORTE, MULHER É MINHA PAIXÃO

Gosto de mulher bonita
E gosto de usar gibão
Só vivo usando perneira
Em meu cavalo alazão
Nem que meu chicote entorte
Vaquejada é meu esporte
Mulher é minha paixão
****
Tonny Vaqueiro

A FLORA SENTE O PERFUME, DAS FLORES DA QUIXABEIRA

Se a água vem do rio
Sua fonte é mineral
Se o homem é normal
Ele busca desafio
E a beleza que viu
Na imensa cachoeira
No abismo mas na beira
Teve medo e não assume
A flora sente o perfume
Das flores da quixabeira

Tonny Vaqueiro

SONETO DA PAIXÃO

Começa com um olhar e um sentimento
Que depois vira amor a qualquer hora
Mais bela que uma flor a mulher chora
Não da mais pra controlar pressentimento

O homem lembra logo num momento
Aquela mulher da rua onde ele mora
Que quer que seja a sua linda flora
E ensiste a lhe procurar no pensamento

Por ela ele da a sua vida
Por ele ela derrama o seu pranto
E ele canta pra ela um lindo canto

Nesta estrada que estava sem saída
Procurando encontrar sua querida
Que nunca a viu com tanto encanto
****

Tonny Vaqueiro (Maciano Oliveira) Lagoa de Outra Banda São José do Egito

EU PASSEI PELA VIDA SEM TER VIDA, ESTOU VIVENDO NA VIDA SEM VIVER

Quando lembro o que sua carta me relata
Lembro das coisas boas que vivemos
No destino só nos dois que nos perdemos
E agora esta saudade me mata
E você sem querer já me maltrata
Eu procuro mas sei que não vou te ver
Estou sentindo que agora vou morrer
Pois só quero é te chamar de querida
Eu passei pela vida sem ter vida
Estou vivendo na vida sem viver

****
Se um dia eu puder te encontrar
Saiba o que na hora eu direi
Que o culpado fui eu agora eu sei
E voltei pra o amor recomeçar
Um minuto não parei de procurar
Um remédio pra curar o meu sofrer
O remédio meu amor só e você
Pois no meu coração é que és nascida
Eu passei pela vida sem ter vida
Estou vivendo na vida sem viver

****

Tonny Vaqueiro (Maciano Oliveira) Lagoa de Outra Banda São José do Egito

PELO AMOR DE UMA MULHER

Se uma mulher soubesse
O valor que o Homem tem
Lhe entenderia também
E dava o que ele merece
Pois o Homem não esquece
Realmente o que ele quer
Por um motivo qualquer
Já fica desesperado
Fica preso e dominado
Pelo amor de uma mulher
****

Tonny Vaqueiro (Maciano Oliveira) Lagoa de Outa Banda São José do Egito

FOLHA AO VENTO

Sou uma folha carregada pelo vento
Não tenho dia nem hora de chegar
No caminho só penso em te encontrar
E isso aumenta mais o meu lamento
Com você dentro do meu pensamento
Toda hora estou querendo te ver
E cada vez mais te conhecer
Te amar mais do que eu te amei
Falar coisa que ainda não falei
Insistir que ainda amo você
****

Tonny Vaqueiro (Maciano Oliveira) Lagoa de Outra Banda São José do Egito

MULHER TU ÉS A CULPADA, DOS TOMBOS QUE DOU NA VIDA

Por você vivo perdido
Na maior desilusão
Quem sofre é meu coração
Que não é correspondido
Já vive bem distraído
Por você minha querida
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida
****
Saio pra te procurar
Em algum lugar qualquer
Me diga logo o que quer
Que eu ainda não sei
Por você eu matarei
Quem aqui não é nascida
Embora viva perdida
Suja e desmantelada
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida
****
Por você fico bebendo
Em algum bar da cidade
Sentindo apenas saudade
Já estou quase morrendo
Me encontro me perdendo
Vendo você distraída
Eu te chamo de querida
E sinto uma dor danada
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida
****

Por você fico bebendo
Em algum bar da cidade
Sentindo apenas saudade
Já estou quase morrendo
Me encontro me perdendo
Vendo você distraída
Eu te chamo de querida
E sinto uma dor danada
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida
****
Eu me lembro de você
Saio pra te procurar
Procuro em todo lugar
E não consigo entender
Como é que posso querer
Você que é mal-ouvida
Com a outra és parecida
Mas tu que és amada
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida
****
Já tentei te esquecer
Pena que não consegui
Pessoa linda não vi
Que fosse como você
Estou aqui a sofrer
Você diz que e iludida
Eu procuro uma saída
Pra te deixar conformada
Mulher tu és a culpada
Dos tombos que dou na vida

Tonny Vaqueiro de Lagoa de Outra Banda São josé do Egito

POEMA MAIS UMA CHANCE

VOU FAZER UMA NOVA TENTATIVA
COMO A PLANTA QUE DENTRO DAS ESCOLHAS
NECESSITA PERDER AS PRÓPRIAS FOLHAS
PRA GANHAR O DIREITO DE ESTAR VIVA
SE A RAIZ DO PERDÃO FOR DECISIVA
PRA NUTRIR O QUE PODE UNIR A GENTE
VOU VIRAR UMA PLANTA DIFERENTE
MAS VOCÊ NEM PRECISA VIRAR FLOR!
"VOU DAR MAIS UMA CHANCE A ESSE AMOR
NEM QUE EU SEJA FRUSTRADO NOVAMENTE"

BASEADO NO TOPO DA VERDADE
QUE PROTEGE INFELIZ, ERRADO E LOUCO
VOU TENTAR OUTRA VEZ DESCER UM POUCO
DO TIJOLO DA MINHA VAIDADE
PRA NÃO TER QUE JULGAR SUA VONTADE
COM MAIS UMA VONTADE INTRANSIGENTE
POSSA SER QUE A RAZÃO SEJA INOCENTE
E O REMORSO CONDENE A MINHA DOR
"VOU DAR MAIS UMA CHANCE A ESSE AMOR
NEM QUE EU SEJA FRUSTRADO NOVAMENTE"

POETA :ZÉ ADALBERTO /POEMA MAIS UMA CHANCE
Enviado por Lucivânia Bernardo

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Soneto Ser perfeito

É buscando chegar na perfeição
Que os homens procuram plenamente
Esta busca se torna permanente
Mais jamais acharam à solução.

Eles andam em outra direção
Em caminho bastante diferente
Compram carros, trabalham brutalmente
Só dinheiro lhes dar satisfação.

Mais perfeito aqui não há ninguém
Ser perfeito não pode ser alguém
Que dinheiro defina seu respeito.

Ser perfeito é jamais fazer errado
E Jesus disse ao povo no passado
Ser perfeito, só Deus é ser perfeito.

Nilton o poeta divino

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Você pode encontrar mil pretendentes, Mas nem um vai te amar como eu te amei.

Você pode encontrar milhões de amores
cada qual que te oferte mais carinho
que te dê casa boa,carro,linho
e que partilhe contigo as mesmas dores
pode até encontrar quem mande flores
da maneira que um dia eu já mandei
mas nem um vai lutar como eu lutei
contra força infernal dos teus parentes
você pode encontrar mil pretendentes
mas nem um vai te amar como eu te amei.

Você pode encontrar uma criatura
mas madura que eu e de alto porte
que te jure um amor até a morte
mas nem sempre quem fala cumpre a jura
já eu sim levarei pra sepultura
esse amor imortal que eu te jurei
esquecer-te de fato eu já tentei
mas a ti estou preso por correntes
você pode encontrar mil pretendentes
mas nem um vai te amar como eu te amei.

Você pode encontrar um cavalheiro
com os mais altos requintes de nobreza
que ostente o que é pela riqueza
mas amor não se compra com dinheiro
pode até desprezar este vaqueiro
esquecendo de tudo que eu falei
tocar fogo nas cartas que eu mandei
nos bilhetes,retratos e presentes
você pode encontrar mil pretendentes
mas nem um vai te amar como eu te amei.

Glosas: Welton Melo
Mote: Bio Salvino
Fonte:Blog Leo Meeiros O Poeta popular

Sou

Sou a parte que não sei
Sou o surreal da arte
Sou a parte a qual faltei
Sou a parte em toda parte
Que se parte em pedacinhos
Sou vários pequenininhos
Sou até o que sobrou
E o que digo andando a esmo?
Se o que vejo de mim mesmo
É tal parte que não sou.

Kerlle de Magalhães
Fonte:Blog (Ser) Tão Poetas

Os Quatros Bebados

OS QUATRO BÊBADOS

Quatro bêbados bebiam numa mesa,
E falavam da vida e tudo em fim.
O primeiro dizia: “Eu bebo assim,
Pra poder afogar minha tristeza”…

O segundo, engolindo uma de gim,
Diz: “a cana é quem faz minha defesa…
Se não fosse a bebida, essa beleza,
Minha vida seria muito ruim!

O terceiro, morrendo de ressaca,
Diz: eu sinto a matéria muito fraca,
Vou parar de beber essa semana!

Grita o outro: “não faça essa desgraça,
Mande abrir mais um litro de cachaça
Que é pra gente morrer bebendo cana!

Gonga Monteiro
Tabira, 18/02/2011
Fonte: blog (Ser) Tão Poetas

Senti-los

É preciso extrair a pura essência
Existente em nós e em nossas vidas,
Pois assim sentiremos resistência
Ao encontrarmos sensações perdidas.

Enxergar o escuro em transparência,
Ouvir o som nas notas produzidas.
Saciar o sabor da existência,
Cheirar a luta nas canções contidas.

Tocar a alma, a forma, o instrumento.
Amar a vida, a fé e o sentimento,
Que é necessário para prosseguir…

Pois, se não houver sonhos construídos,
Qual o sentido em ter os sentidos
E não usá-los pra saber sentir?

Isabelly Moreira - São José do Egito
Fonte: Blog (ser) Tão Poeta

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Ai, quem me dera

Ai quem me dera, terminasse a espera
E retornasse o canto simples e sem fim...
E ouvindo o canto se chorasse tanto
Que do mundo o pranto se estancasse enfim

Ai quem me dera percorrer estrelas
Ter nascido anjo e ver brotar a flor
Ai quem me dera uma manhã feliz
Ai quem me dera uma estação de amor

Ah! Se as pessoas se tornassem boas
E cantassem loas e tivessem paz
E pelas ruas se abraçassem nuas
E duas a duas fossem ser casais

Ai quem me dera ao som de madrigais
Ver todo mundo para sempre afins
E a liberdade nunca ser demais
E não haver mais solidão ruim

Ai quem me dera ouvir o nunca mais
Dizer que a vida vai ser sempre assim
E finda a espera ouvir na primavera
Alguem chamar por mim...

Vinícius de Moraes

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Pagina branca - Soneto

Meu coração se apressa em te lembrar
No raro encanto que teu olhar encerra
O calor do teu afago a me queimar
Restringindo a tortura dessa espera

Deusa de tuas noites, apenas quero
Enlanguescer perdida em teu abraço
Aspirar todo encanto, que com esmo
Ofereces no aconchego do teu regaço

Vem, leva o inverno que em mim mora
Quando da tua ausência, farta me vejo
Traz teu olhar, que meus sentidos aflora
Entontece-me com fúria do teu desejo

Toma meu sonho nos lençóis de cetim
Sou tua página branca, rabisca em mim

Gloria salles

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

Para Deborah Guimarães

Posso até me equivocar
Em versar sobre você
Mas pelo pouco que conheço
Acho que dá pra saber
Há coisas que a boca não fala
Só um gesto pode dizer

Só um gesto pode dizer
O quanto alguém é gente boa
Pode cair tempestade
Fazer sol, cair garoa
Nem a tristeza chega perto
Quando seu sorriso soa

Quando seu sorriso soa
Quem tá perto se contagia
Pois deus lhe deu esse dom
Do sorriso como magia
Que pra ser feliz toda vida
Siga esse dom como guia

Siga esse dom como guia
Que a todo mundo encanta
Pois vejo nos seus amigos
Que a alegria é tanta
Que ainda não vi tristeza
Que um sorriso não espanta

Queria de te falar mais
Perdão se não falei direito
As rimas foram bem simples
Mas saíram aqui do peito
E outo dia eu prometo
Que faço um verso bem feito

Deixo aqui a minha estima
Pra essa galega especial
pessoa de fina estampa
Uma bandeira fenomenal
Deixo escrito Deborah Guimarães
Em letreiro digital! Uau!

Mario Almeida

Esse é pra você Deborah

terça-feira, 8 de novembro de 2011

O tempo dá, depois leva, Não devolve nunca mais.



Lembro dos meus vinte anos
No verdor da mocidade
Gozava a felicidade
De nada fazia planos;
Juntamente com meus manos
Eu dava saltos mortais
Hoje nos meus castiçais
Invés de luz vejo treva
O tempo dá, depois leva
Não devolve nunca mais.

Mote: Aloísio Lopes
Glosa: Léo Medeiros
Sobral, 03/10/2011.
Fonte: Blog de Leo Medeiros

Nossas brigas de amor já fazem parte, Do romance maior de nossas vidas

A distância pra nós foi um castigo
e castigados podemos aprender
que eu não posso existir sem ter você
e nem você ser feliz sem tá comigo
foi nas brigas que vi que não consigo
encontrar outra dama em minhas idas,
te botar no mural das esquecidas
nem mandar o que eu sinto pra o descarte
nossas brigas de amor já fazem parte
do romance maior de nossas vidas.

Nosso amor se tornou tão complicado
cada briga manchou nossos cartazes
porem logo em seguida vinham as pazes
pra botar-nos de novo lado à lado
Que é difícil um casal apaixonado
não rever suas falhas cometidas
pois diante de nossas despedidas
eu me vi quase a beira de um enfarte
nossas brigas de amor já fazem parte
do romance maior de nossas vidas.

Nossas brigas cessou nossos carinhos
Mas depois o amor curou as dores
Que um casal quando vive em mar de flores
Muitas vezes se furam com os espinhos
Se eu feri os meus pés pelos caminhos
Ao andar pelas zonas proibidas
Só você é quem cura tais feridas
Pois em ti encontrei meu baluarte
Nossas brigas de amor já fazem parte
Do romance maior de nossas vidas


Mote:Biu Salvino
Glosas:Welton Melo
Fonte: Blog de Leo Medeiros

Eu sou pouco pra você

Sou tão pouco meu bem,sou quase nada!
sou somente um poeta sonhador
minha mãe foi uma santa abençoada
e papai não passou de um lavrador
me criei nesta vida um tanto dura
ajudando papai na agricultura
e vendo a seca torrar minha esperança
de lazer meu amor,não tive nada!
pois quem cresce no cabo de um enxada
não tem tempo se quer de ser criança.

Foi assim que eu passei a minha vida
sem direito a amar nem querer bem
e apesar da infância tão sofrida
não invejo viver de seu ninguém
nunca tive direito a um brinquedo
o que eu tinha era um calo em cada dedo
pra provar q eu cuidei da plantação
cultivei esta terra seca e dura
e apesar dessa vida de amargura
eu me orgulho em ser filho do sertão.

Apesar de também ser sertaneja
nós dois somos bastantes diferentes
sua vida foi dada de bandeja
você teve os melhores pretendentes
cada qual mais bem visto pelo povo
com dinheiro no banco,carro novo
e se quer algum dia passou fome
mas você se envolveu com este matuto
operário da roça,pobre e bruto
que mal sabe escrever o próprio nome.

Eu sou pobre meu bem,sem condição
mas por isso eu não sou um marginal
e nem penso em sair do meu sertão
pra viver nos porões da capital
o que eu quero é morar num pé de serra
retirando o sustento dessa terra
bem distante de um mundo sub humano
desenhar minha vida numa tela
e me casar com uma moça pura e bela
que me dê um menino todo ano.

Mas se tu realmente diz me amar
com total segurança e com certeza
e aceitar meu convite pra o altar
dando as costas pra o lucro e pra riqueza
vou trazer-te meu bem pra meu ranchinho
te tratar com amor e com carinho
da maneira que assim eu sempre fiz
que o amor sendo puro,a tudo encobre
e o mundo vai ver que um cabra pobre
também pode fazer mulher feliz.

Autor: Welton Melo
São José do Egito-PE, 02/11/201
Fonte:Blog de Leo Medeiros

Não existe quem viva sem saudade, Nem saudade que dure sem razão.

Quando a tormenta viaja ao seu encontro
E você põe-se a pagar pelos castigos
Ao chorar você pede o reencontro
Ora a Deus pra ter por perto os amigos
Agradece por tê-los como abrigos
Sente firmeza por eles serem teu chão
Já não tendo mais mágoa no coração
Cai a tormenta, reina a felicidade
Não existe quem viva sem saudade
Nem saudade que dure sem razão.

Autor desconhecido

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

SOU MATUTO NORDESTINO

SOU MATUTO NORDESTINO
E NÃO SEI FALAR BONITO
EU DIGO TUDO QUE PENSO
FALO TUDO QUE ACREDITO
EU NÃO SEI FICAR CALADO
SOU UM VAQUEIRO APAIXONADO
DE SÃO JOSÉ DO EGITO.

(Tonny Vaqueiro)

domingo, 6 de novembro de 2011

Uma Paixão Pra Santinha

Jessier Quirino

Xanduca de Mané Gago
Tinha querença mais eu
Me vestia de abraço
Bucanhava os beiço meu
Era aquele tirinete
Parecia dois colchete
Eu in nela e ela in nêu.

No apolegar das tetas
Nos chamego penerado
Nas misturação das perna
Nos cafuné do molengado
Nos beijo mastigadinho
Nos açoite de carinho
Nós era bem escolado.

Era aquele tudo um pouco
Era aquela amoridade
Mas faltava na verdade
Sensação de friviôco
Um querer, uma pujança
Daquela que dá sustança
Na homencia do cabôco.

No dia que`u vi Santinha
Sobrinha do sacristão
O bangalô do meu peito
Se enfeitou feito um pavão
Foi quando esqueci Xanduca
Sem mágoa sem discussão
Pois vimos que nós só tinha

Uma paixãozinha mixa
Uma jogada de ficha
Uma piola de paixão.
Santinha é a indivídua
Que misturou meu pensar
Que me deixou friviando
Sem nem sequer me olhar

Matutinha aprincesada
Mulher de voz aflautada
Olhosa de se olhar
Fulô de beleza fina
É a tipa da menina
Que se deseja encontrar.
Mas Santinha é quase santa

Nem percebe o meu amor
Não tem na boca um pecado
Tem o beicinho encarnado
Pintado a lápis de cor
Só tem olhos pra bondade
Mas não faz a caridade
De enxergar um pecador.
Ah! se eu fosse um monsenhor

Um padre, um frei, um vigário
Eu achucalhava os sino
De riba do campanário
Eu abria o novenário
Eu enfeitava um andor
Botava ela impezinha
Feito uma santa rainha

Padroeira dos amor.
Arranjava um pedestal
Um altar um relicário
Chamava todas carola
Chamava todo igrejário
E dizia em toda altura
Com voz de missionário:

Oh! minha santa Santinha!
Tire este manto celeste
Saia deste relicário
Olhe pra mim e garanta
Que vai deixar de ser santa
Que`u deixo de ser vigário!