Blog Sertão Poeta, Anuncie!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

SEM ELA

ME SINTO TÃO PERDIDO
COM TANTA GENTE POR PERTO
PERDIDO COMO UM GRÃO DE AREIA
EM MEIO AO GRANDE DESERTO
ME SINTO SOB UMA TEMPESTADE
SEM ABRIGO E SEM UM TETO

ME SINTO COMO UM POETA
QUE NÃO PODE MAIS CANTAR
ME SINTO COMO UM PASSARO
SEM LIBERDADE PRA VOAR
COM O CORAÇÃO EM MIL PEDAÇOS
QUE NÃO TEM MAIS COMO EMENDAR

ME SINTO COM O PEITO APERTADO
E O CORAÇÃO TÃO PEQUENINO
E TRISTE COMO UM SABIÁ
QUE LHE ROUBARAM DO NINHO
ONDE SUA SENTENÇA É A SOLIDÃO
E O RESTO DOS SEUS DIAS SOZINHO

EU ME SINTO TÃO PERDIDO
E NÃO SEI COMO ME ACHAR
É COMO SE UMA GOTA DE ÁGUA
SE PERDESSE NO IMENSO MAR
QUE EU PROCURO E NÃO ENCONTRO
CHANÇES REAIS DE ME ENCONTRAR

ESTOU VIVENDO A DERIVA
COMO UM BARCO EM AUTO MAR
QUE SEM O SEU VELEJADOR
VAI PRA ONDE O VENTO LEVAR
E QUE AS UNICAS ESPERANÇAS
SÃO AS ONDAS LHE AFOGAR

SEI QUE NÃO É TUDO ISSO
MAS É DE TUDO ISSO UM POUCO
A SENSAÇÃO QUE ESTOU SENTINDO
É DE DEIXAR UM SUJEITO LOUCO
POIS AMAR SEM SER AMADO
DEIXA QUALQUER UM NO SUFOCO

Autor: Mario Almeida

Nenhum comentário:

Postar um comentário