Blog Sertão Poeta, Anuncie!

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

CECOR 20 ANOS TRANSFORMANDO VIDAS NO SEMIÁRIDO - O RELATO DE UM SERTANEJO


            I                                                                      VI
Com 20 anos de idade                                   Até minhas duas moças                               
Ainda um adolescente                                   Empregadas na cidade
Mais em várias comunidades                       Nas cozinhas lavando louças
Tem trabalho permanente                             Sofrendo barbaridades
Meus parabéns ao CECOR                          Hoje elas estão comigo
Que busca sempre o melhor                          Deixaram aquele castigo
Com sua equipe competente.                         E não sentem nem saudades.            
            II                                                                    VII
20 anos transformando                                  Qualquer verão que fazia
As vidas da população                                   Eu desabava pra o Sul
20 anos semeando                                          Não tinha agroecologia
Justiça, paz e união                                        Só tinha o puro angu
Mostrando que é viável                                 Hoje ninguém, vive atôa
Viver de forma sustentável                            Pra mim a vida está boa
Essa é sua missão.                                          Será que não ta e pra tu?
            III                                                                   VIII    
Todo tipo de verduras                                    O cabra trabalhava um dia
Eu tenho no meu quintal                                Por um litro de feijão
Vivo da agricultura                                        Numa casa de família
E tenho até animal                                         Não dava uma refeição         
Obrigado de coração                                     Vizinhos se reclamavam
Ao Centro de Educação                                A mulher e os filhos coravam
Comunitária Rural.                                        Por falta de alimentação.
            IV                                                                   IX
Tenho cisterna no oitão                                 As roupas eram fraquinhas
Para o consumo da família                             Eu parecia o caco
Tenho cisterna calçadão                                Eu vendia as galinhas
Onde eu colho todo dia                                  Pra não passar por velhaco
Não quero vida melhor                                  Os filhos sem ir a escola
E se não fosse o CECOR                              E o pai sem pedir esmola     
Nada disso existia.                                        Porque não tinha um saco.
            V                                                                    X
Hoje estou bem controlado                           Hoje aqui no sertão
Não trabalho de emergência                         Não quero vida melhor         
Aprendi no semiárido                                    Celular e televisão
Outra forma de convivência                          Carro moto ao meu redor
Não aprendi a fazer chover                           Esses são os versos meus
Mas aprendi a viver                                      Muito obrigado meu Deus
Isso também é ciência.                                  E viva sempre o CECOR


São José do Belmonte, outubro de 2014.
Autor: Josué Moreno

Nenhum comentário:

Postar um comentário