Blog Sertão Poeta, Anuncie!

quinta-feira, 3 de abril de 2014

Bagagem

Imagem da Net

Quando vim para esse mundo,
eu trouxe pouca bagagem.
Avisaram de antemão,
que era uma longa viagem,
mas tudo que eu precisasse,
quando aqui não encontrasse,
faria politicagem.

Já me mandaram sem roupa,
pra começo dessa prosa,
não procede a economia.
Ô situação desonrosa!
E uma parteira fuleira,
muito lá da zombeteira,
deu tapas na apetitosa.

Claro que eu abri a boca,
naquele choro gritado,
quer mais inconveniência,
pra quem mal tinha chegado?
Pelada, no bom sentido,
tendo já quase morrido...
mais que justo o desagrado.

Lanche não veio comigo,
mas a mãe já deu um jeito,
com muita dificuldade
me colocou no seu peito.
Que vontade que eu senti
de gritar bem alto ali:
- Não dá pra ser prato feito!?

Aquele leitinho aguado
não matou a minha fome,
que durante muitos dias,
ela quase me consome.
Então ouvi alguém dizer,
que eu já estava pra morrer,
da doença disse o nome...

Era mal de simioto,
um troço muito esquisito,
que deixava a pele e osso,
quem tivesse o mal bendito.
E com cara de macaco.
Já me senti no buraco,
sem direito a faniquito.

Tentei lembrar da bagagem,
se trouxera algum remédio,
mas ninguém me ouviria,
ser bebê já é um tédio!
Com doença de macaco,
é ver no chão seu barraco,
da morte, sofrendo assédio.

Pra encurtar a ladainha,
não me mandaram pra tumba,
de tanto fazer novena,
e despacho com zabumba.
Consegui sobreviver,
sem ninguém pra me dizer,
se foi milagre ou macumba.

E segui sobrevivendo
a muitos outros tropeços,
vivendo dia por dia,
a todos chamei começos.
E já fui fazendo a mala,
porque quando for pra vala
a bagagem tem seus preços.

Hoje ela tá estufada,
difícil até de fechar,
mas espremo no que posso
pra coisa boa encaixar.
Levo comigo amizades,
dessas que deixam saudades,
por mais que o tempo passar.

Levo também as virtudes,
que não são em quantidade.
A gente luta e labuta,
mas peca na ingenuidade.
E o que aprendemos de moço,
de velho, vira caroço,
tem data de validade.

Então sobram os defeitos...
Esses incham a bagagem!
Dizem que sou venenosa,
consta na minha listagem.
Pra não morrer engasgada,
nunca deixei passar nada
nem mesmo com beberagem.

Falo tudo ao pé da letra,
para quem quer ou não quer,
o peão tem que saber,
de todo mal que fizer.
Mas a franqueza machuca,
como sopapo na nuca,
de si ninguém quer saber.

Gostam mesmo é de fofoca,
de falar da vida alheia,
e não digo que não tenha,
alguma aqui na bateia.
Mas só falo o que provar,
portanto não vou pagar,
por essa prática feia.

Mas como toda bagagem,
tem a bolsa de acessório.
Na vida, vem dos bazares,
na morte, do ambulatório.
Dor de toda qualidade,
pelotas em quantidade,
nem cabem no purgatório.

Por falar em purgatório,
sem querer aqui maldar,
tenho amiga em maus lençóis,
que por lá há de passar.
Por conta de um tal zezinho
que usurpou com jeitinho
do falecido, o lugar.

Mas eu não tive esse trem.
Esse pecado não devo.
Mesmo que não pese muito,
é um a menos que eu levo.
Porque vamos combinar,
não tá fácil de fechar,
só com pecados que escrevo.

Pois é isso minha gente:
- Essa vida é uma viagem!
Chegamos de mala e cuia,
com uns anos de vantagem.
Mesmo sem fazer maldade,
praticando a caridade,
leva escorpião na bagagem.
      Tere Penhabe
      Santos, 24/05/2009
      Fonte:Poesia de Cordel

Nenhum comentário:

Postar um comentário