Blog Sertão Poeta, Anuncie!

sexta-feira, 11 de abril de 2014

Deus não tarda, nem falha e na hora certa, Abre o céu pra chover no meu Sertão.

 Fotos Mario Almeida

A cigarra agorenta logo some
Quando a água no chão desce rolando.
O carão na represa já cantando
Dá sinal que não vamos mais ter fome.
Castigado deixou de ser pronome
Quando o verbo chover caiu no chão.
Vi menino correndo pra o oitão.
E banha-se em goteira que desperta.
Deus não tarda, nem falha e na hora certa
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
A notícia chegou na capital
E dizia: tem chuva e o Sertanejo
Muito alegre plantando a roça vejo
E a boiada na lama do curral,
Se atolando e o verde milharal
Escurece de longe a visão.
Quem passou por castigos do verão
Agradece contente pela oferta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
Uma barra se forma no nascente
E o trovão estremece e dá sopapo.
Na lagoa festeja rã e sapo
Pra deixar o cenário mais contente.
O riacho transborda e a enchente
É tão forte que quem vai ao ribeirão,
Ouve o ronco das águas e o clarão
Do relâmpago nos dando uma alerta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
Foi três anos de seca castigando
Muito gado morreu de fome e sede.
Faltou pra nós, no pé de uma parede
Um "paió" com feijão nos alegrando.
Mas, a gente ficou pra DEUS orando
E pedindo invernia pra nação.
Ele ouviu nossas preces e oração
E a paisagem deixou de ser deserta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
O Poeta da terra em Poesia
De amanhã acordou num só repente.
Foi pro campo plantar sua semente
De melão, jerimum e melancia.
Meio dia na rádio cantoria
Relatando as chuvadas com emoção.
E quem foi morar noutra região,
Quer voltar que a saudade já lhe aperta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
De Andrade Lima.
.
Recife PE, 08-04-2014
Cordel Improvisado

Movimento Deixa Ser Deixa Seu Recado!


O movimento DEIXA SER é resultado do intuito em unir e difundir diversas práticas artísticas em um único evento. Evento este no qual a liberdade de participação e manifesto, tanto de estilos quanto de ritmos, possa ser vista e trabalhada, promovendo uma verdadeira mesclagem cultural. Aberto ao público, a organização do evento aproveita a natureza colaborativa do projeto e pede que cada pessoa leve um quilo de alimento não perecível para que, depois de arrecadados, sejam repassados à famílias vítimas da estiagem e também para o lar do idoso de nossa cidade. Desta vez, pelo segundo ano consecutivo, estamos promovendo esta ação. Vamos DEIXAR SER a arte de cada um!

Por Isabelly Moreira

segunda-feira, 7 de abril de 2014

Poeta Lima Júnior



Como crer em você, se o que se passa
Mata a crença que eu tinha neste jogo?
Sei que onde há fumaça existe fogo
E teu riso tem cheiro de fumaça!
Tua ausência tem sido uma ameaça
A presença uma dúvida condoída,
A saudade tornou-se uma ferida
E a “certeza”, “entre as aspas”, sem certeza,
Esmigalha o romance da tristeza
No banquete de amor da nossa vida!

Do Poeta Lima Júnior

Mariana Teles, A Filha do Cantador

Imagem da Net
"Um verso escrito no verso de uma prova na qual a professora a desafiou a tirar boa nota"

"Não vai ser papel que vai provar
Nem medir competência de ninguém
Quem acerta é sujeito errar também,
Que na vida nem tudo é acertar,
Teu diploma não vem pra ocultar,
Os padrões da missão que te convém
Que éplantar o saber pregar o bem
Sem certeza que o futuro irá vingar,
Eu não sei se na tua faculdade
Algum mestre te ensinou
Que humildade é principio de toda profissão
Me perdoe professor o atrevimento
Mais não troco o meu conhecimento
Nesse anel que enfeita tua mão"

Da Poetisa Mariana teles
Tirado do Livro "O Rio Que Não Passa"

sexta-feira, 4 de abril de 2014

VOCÊ QUER UM PLANETA SEM PROBLEMA, E OS PROBLEMAS COMEÇAM POR VOCÊ!

VOCÊ QUER UMA TERRA MAIS BONITA
COM MULHERES E HOMENS MAIS SENSATOS
NUNCA OUVE A CANTIGA DOS NONATOS
MAS ADORA OUVIR FUNK DA ANITA
NÃO CRÊ MUITO EM JESUS MAS ACREDITA
NOS FUXICOS QUE PASSAM NA TV
SABE TUDO O QUE TEM NO BBB
MAS NÃO SABE A METADE DE UM POEMA
VOCÊ QUER UM PLANETA SEM PROBLEMA
E OS PROBLEMAS COMEÇAM POR VOCÊ!

De Lenelson Piancó

Que a caneta da vida fez um traço, Riscou junto o teu nome como o meu


Imagen da Net

Nosso nome completo é incompleto 
Pra formar-se a palavra inteira “amor”
De igual a forma, a palavra inteira “dor”
Não se forma sem tê-los por completo.
Nessa exclusividade do alfabeto
Da cartilha que o amor nos inscreveu
Meu amor não existe sem o teu
Nem o teu vive sem o meu abraço
“Que a caneta da vida fez um traço
Riscou junto o teu nome como o meu”

De Pedro Torres
Mote de Dayane Rocha
Fonte: Blog Agroecologia News

ESCUTEI LEPO-LEPO NO PASSADO

ESCUTEI LEPO-LEPO NO PASSADO
DA “CORREIA” DE BOI, QUE PAI FAZIA
CADA COISA INDECENTE QUE EU DIZIA
ERA “LEPO” PRA TUDO QUANTO É LADO
É POR ISSO QUE HOJE EU SOU CURADO
DO VENENO DO BONDE DO TIGRÃO
FUI CRIADO ESCUTANDO GONZAGÃO
PRA NÃO TER ATITUDE DE PATETA
TODA VEZ QUE O SERTÃO GERA UM POETA
MARCA UM PONTO, A CULTURA DO SERTÃO!

De Lenelson Piancó
Fonte: Blog Agroecologia News

São José e a Chuva

Imagem da Net
Dia 19 de março é o dia dedicado a São José.
O nordestino acredita que se chover neste dia o inverno será bom trazendo grande fartura.
Viva São José!!!
SÃO JOSÉ E A CHUVA
*
Tomara que chova hoje,
Em meu querido rincão
Quero fartura de milho,
Pras bandas do meu sertão.
Apostando em São José
O santo que tenho fé.
Vou fazer minha oração.
*
Meu querido São José,
Mande chuva de verdade
Pra nascer milho na roça,
De mim tenha piedade!
 Quero pular a fogueira,
Comer milho e macaxeira,
Quero matar a saudade.
*
Texto de Dalinha Catunda
Fonte: Cordel de Saia

JUMENTO NO CARDÁPIO

Imagem da Net


 De Dalinha Catunda
*
Pra que tanta crueldade
Com o coitado do jegue
Tomara Deus, que não pegue,
A moda em minha cidade
E que tenham piedade
Do Jegue do meu sertão,
E mesmo com precisão
Poupem o pobre jumento
Procurem outro alimento
Mas não comam nosso irmão!
*
De Hélio Crizanto
*
Já se encontra no mercado,
Nos bares de Apodi
Porção de burro grelhado
Jumento a catupiry.
Tem lombo na frigideira
Jerico ao molho madeira
Ovo de burro na brasa
Bisteca de jegue preto
Tripa assada no espeto
Como franquia da casa.

Fonte: Blog Cordel de Saia

quinta-feira, 3 de abril de 2014

É Curpa do Prisidente

Imagem da Net

Num gosto nem de pensá
nessa tar de azaração
mai num vejo cuerência
tão poco ixpricação
só pode sê que os dotor
se juntaro eles dois
pa mostrá quem manda ô não.

Vô lhes contá a história
sem tirá nem pô tamém
foi anti das eleição
e num tinha pra ninguém
cheguei lá no seu dotor
sem uma puta duma dor
de quem acha que nada tem.

Ele abriu a papelada
me convença quem pudé
num é vingança nem nada
cum essa cara de ralé?
me despachô da sua lista
pá endocrinologista
na cova já sinti o pé.

Eles são a crasse média
dito e feito! fez sintido
me olham só de soslaio
acham que eu sô um pirigo
a dotora se aprumô
lápis e paper catô
só fartô mandá pro lixo.

Escreveu tanto a muié
que me deu inté gastura
me proibiu de cumê
até memo rapadura
é vingança ou num é?
vai contá pra quem quisé
se isso fô só consurta.

Eu inté argumentei:
Dona, tenha piedade
é a primera veiz na vida
deisdi a minha mocidade
que eu tenho mortadela
e posso inté cumê ela
cum tanta facilidade.

Meu Prisidente falô
eu vi na televisão
cumê quatro veiz pur dia
é o distino da nação
a ex dama é magricela
num quero sê cumo ela
me dexa cumê e tá bão.

Nessa hora inté pensei
que o teto ia desabá
ela incumpridô a lista
botô nela até jabá
linguiça, paio, toicinho
ai meu santo dos fominha
só o sior pode me sarvá.

E me botô porta afora
depoi de midí a pressão
viu que ela tava boa
e num havia cundição
de cabá co a minha vida
mai que na lista cumprida
eita dotora do cão!

Mai num fai má, eu engulo
memo eu seno inocente
que na verdade essa curpa
é lá do tar Prisidente
foi prometê comelança
despertô foi a vingança
e essa rangeção de dente.

Eu só lamento de fato
a minha sócia Ciducha
vô tê que dizê pra ela
sem rodeio e é na bucha
o embutido tá falido
antes memo de nascido
foi decreto lá da bruxa.

Mai num vô ficá pur baxo
cão que mordi num lati
que no tar do purtugueis
ninguém no mundo me bati
vô istudá agronomia
aprendê as alkimia
e vortá dotro quilate.

 Trago meu otro projeto
que nesse eles bota fé
não garanto lucro certo
adere se ocê quisé
no terreno lá do Embú
nói vamu prantá xuxu
seja lá o que Deus quisé.
 
Tere Penhabe
Santos, 01/11/2006
Fonte: Poesia de Cordel

Bagagem

Imagem da Net

Quando vim para esse mundo,
eu trouxe pouca bagagem.
Avisaram de antemão,
que era uma longa viagem,
mas tudo que eu precisasse,
quando aqui não encontrasse,
faria politicagem.

Já me mandaram sem roupa,
pra começo dessa prosa,
não procede a economia.
Ô situação desonrosa!
E uma parteira fuleira,
muito lá da zombeteira,
deu tapas na apetitosa.

Claro que eu abri a boca,
naquele choro gritado,
quer mais inconveniência,
pra quem mal tinha chegado?
Pelada, no bom sentido,
tendo já quase morrido...
mais que justo o desagrado.

Lanche não veio comigo,
mas a mãe já deu um jeito,
com muita dificuldade
me colocou no seu peito.
Que vontade que eu senti
de gritar bem alto ali:
- Não dá pra ser prato feito!?

Aquele leitinho aguado
não matou a minha fome,
que durante muitos dias,
ela quase me consome.
Então ouvi alguém dizer,
que eu já estava pra morrer,
da doença disse o nome...

Era mal de simioto,
um troço muito esquisito,
que deixava a pele e osso,
quem tivesse o mal bendito.
E com cara de macaco.
Já me senti no buraco,
sem direito a faniquito.

Tentei lembrar da bagagem,
se trouxera algum remédio,
mas ninguém me ouviria,
ser bebê já é um tédio!
Com doença de macaco,
é ver no chão seu barraco,
da morte, sofrendo assédio.

Pra encurtar a ladainha,
não me mandaram pra tumba,
de tanto fazer novena,
e despacho com zabumba.
Consegui sobreviver,
sem ninguém pra me dizer,
se foi milagre ou macumba.

E segui sobrevivendo
a muitos outros tropeços,
vivendo dia por dia,
a todos chamei começos.
E já fui fazendo a mala,
porque quando for pra vala
a bagagem tem seus preços.

Hoje ela tá estufada,
difícil até de fechar,
mas espremo no que posso
pra coisa boa encaixar.
Levo comigo amizades,
dessas que deixam saudades,
por mais que o tempo passar.

Levo também as virtudes,
que não são em quantidade.
A gente luta e labuta,
mas peca na ingenuidade.
E o que aprendemos de moço,
de velho, vira caroço,
tem data de validade.

Então sobram os defeitos...
Esses incham a bagagem!
Dizem que sou venenosa,
consta na minha listagem.
Pra não morrer engasgada,
nunca deixei passar nada
nem mesmo com beberagem.

Falo tudo ao pé da letra,
para quem quer ou não quer,
o peão tem que saber,
de todo mal que fizer.
Mas a franqueza machuca,
como sopapo na nuca,
de si ninguém quer saber.

Gostam mesmo é de fofoca,
de falar da vida alheia,
e não digo que não tenha,
alguma aqui na bateia.
Mas só falo o que provar,
portanto não vou pagar,
por essa prática feia.

Mas como toda bagagem,
tem a bolsa de acessório.
Na vida, vem dos bazares,
na morte, do ambulatório.
Dor de toda qualidade,
pelotas em quantidade,
nem cabem no purgatório.

Por falar em purgatório,
sem querer aqui maldar,
tenho amiga em maus lençóis,
que por lá há de passar.
Por conta de um tal zezinho
que usurpou com jeitinho
do falecido, o lugar.

Mas eu não tive esse trem.
Esse pecado não devo.
Mesmo que não pese muito,
é um a menos que eu levo.
Porque vamos combinar,
não tá fácil de fechar,
só com pecados que escrevo.

Pois é isso minha gente:
- Essa vida é uma viagem!
Chegamos de mala e cuia,
com uns anos de vantagem.
Mesmo sem fazer maldade,
praticando a caridade,
leva escorpião na bagagem.
      Tere Penhabe
      Santos, 24/05/2009
      Fonte:Poesia de Cordel

O Infeliz do Meu Compadre

Lá na terra donde eu vim
"A Jóia da sorocabana"
tal nome que lhe deu fama
muita história eu ouvi
e as que eu mesma percebi
mostravam sem hesitação
não podendo ser ilusão
que a morte é moça bonita
gosta até de fazer fita
p'ros medrosos de plantão.

Ora vestida de chita
de noiva ou camizolão
na estrada ou no portão
ninguém que a viu acredita
que essa mulher não exista
pra uns é fada madrinha
pra outros é o fim da linha
o fato é que ela passeia
dando uma ou volta e meia
e ainda faz gracinha.

Meu falecido contava
arrepiando-lhe os pelos
que a morte tem os cabelos
grandes como uma cascata
que os balança e faz bravata
ao passante amedrontado
trêmulo e todo molhado
sem recurso pra fugir
e sequer para admitir
o seu medo encalacrado.

Dizia ainda o finado
que a gargalhada da morte
para quem tem a má sorte
de vir a lhe conhecer
seja por ou sem querer
não é coisa que se esqueça
aconteça o que aconteça
fica gravado na mente
por mais que o peão seja crente
tende a tudo amolecer.

E esse fato que lhes conto
aconteceu de verdade
foi lá com nosso compadre
de tão bom ele era tonto
não merecia o confronto
que a malvada lhe impôs
não só um dia, mas por dois
atravessou seu caminho
chegando bem de mansinho
nunca foi o mesmo depois.

Foi na estrada vicinal
numa noite de serão
de uma a outra plantação
viajava o meu compadre
já pensando na comadre
que lhe esperava faceira
depois duma noite inteira
de sonhos de arribação
sabe Deus quanto tesão
foi pro vapor da chaleira.

Pois que ao olhar do lado
sentindo forte arrepio
meu compadre o que viu
não gosto nem de lembrar
passagem dele a contar
chorando que nem criança
homem forte, de sustância
perdeu o jeito e a vergonha
 parecendo uma pamonha
ao falar da circunstância.

Que a noiva de Bernardino
cidadinha malfadada
feia e mal assombrada
se agarrou ao meu compadre
que por infelicidade
já conhecia a história
não vendo no abraço glória
só terror e pantomina
mesmo ela sendo a menina
pra motivo de vitória.

Fez dele gato e sapato
divertiu a não mais poder
 queira ou não você crer
a morte é coisa mandada
não se amofina por nada
tinhosa como ninguém
acha estar fazendo o bem
inda caçoou do compadre
debochando de suas partes
não deu por elas vintém.

O homem que era garanhão
bom de traia e safadeza
impertinente o beleza
hoje vive capengando
nos cantos se lamentando
com sua cara de choro
conta que não deu no coro
nunca mais na sua vida
por conta da morte bendita
numa noite de sufoco.

Tere Penhabe
Santos, 11/04/2006_11:00 hs
Fonte: Poesias de Cordel