Blog Sertão Poeta, Anuncie!

segunda-feira, 17 de novembro de 2014

Chuvas de volta no Sertão

Foto: Mario Almeida

A cigarra agorenta logo some
Quando a água no chão desce rolando.
O carão na represa já cantando
Dá sinal que não vamos mais ter fome.
Castigado deixou de ser pronome
Quando o verbo chover caiu no chão.
Vi menino correndo pra o oitão.
E banha-se em goteira que desperta.
Deus não tarda, nem falha e na hora certa
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
A notícia chegou na capital
E dizia: tem chuva e o Sertanejo
Muito alegre plantando a roça vejo
E a boiada na lama do curral,
Se atolando e o verde milharal
Escurece de longe a visão.
Quem passou por castigos do verão
Agradece contente pela oferta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
Uma barra se forma no nascente
E o trovão estremece e dá sopapo.
Na lagoa festeja rã e sapo
Pra deixar o cenário mais contente.
O riacho transborda e a enchente
É tão forte que quem vai ao ribeirão,
Ouve o ronco das águas e o clarão
Do relâmpago nos dando uma alerta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
Foi três anos de seca castigando
Muito gado morreu de fome e sede.
Faltou pra nós, no pé de uma parede
Um "paió" com feijão nos alegrando.
Mas, a gente ficou pra DEUS orando
E pedindo invernia pra nação.
Ele ouviu nossas preces e oração
E a paisagem deixou de ser deserta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.
O Poeta da terra em Poesia
De amanhã acordou num só repente.
Foi pro campo plantar sua semente
De melão, jerimum e melancia.
Meio dia na rádio cantoria
Relatando as chuvadas com emoção.
E quem foi morar noutra região,
Quer voltar que a saudade já lhe aperta.
Deus não tarda, nem falha e na hora acerta
Abre o céu pra chover no meu Sertão.
.

De Andrade Lima.

Um comentário:

  1. parabéns pelo blog poeta, muito informativo e bom. uma ótima representação da nossa cultura....

    ResponderExcluir