Blog Sertão Poeta, Anuncie!

terça-feira, 30 de novembro de 2010

Quem quiser ter saudade do meu tanto, Sofra e ame do tanto que eu amei

(mote: Zé Ilton)
Pra falar de saudade eu me proponho
Relatar nesses versos o que eu sinto
Vivo preso num grande labirinto
A saída eu não acho nem em sonho;
E quem ver o meu rosto assim tristonho
Facilmente já sabe o que eu penei
No castelo do amor, eu fui um rei
Que não soube enganar a dor do pranto
Quem quiser ter saudade do meu tanto
Sofra e ame do tanto que eu amei.

Dos seus braços eu vivo tão distante
Encontrá-la, não tenho esperança
Mas transporto tão viva na lembrança
Não esqueço seu rosto um só instante;
Pois a cruz que carrego é cruciante
Pouca gente suporta o que eu passei
Eu não sei se a outra eu amarei
Mas arrisco amar, isso eu garanto
Quem quiser ter saudade do meu tanto
Sofra e ame do tanto que eu amei.

Glosas: Léo Medeiros
Sobral, 12 de abril de 2010.
Blog Leo Medeiros

Fiz tudo para ficar,Não deu certo, vou embora.

Lhe dei o meu sobre nome,
Eliminei empecilhos,
Lhe dei casa, amor e filhos,
Juntos não passamos fome;
Tudo que a mulher consome
Dei a você toda hora,
Nunca lhe deixei de fora
Dos meus deveres do lar.
Fiz tudo para ficar
Não deu certo, vou embora.

Eu lhe devotei amor,
Como mais ninguém devota,
Mas vi que o amor desbota
Igual a tinta na cor;
Igual perfume na flor,
Que inebria a aurora,
Mas vem a brisa da flora
E o leva a outro lugar
Fiz tudo para ficar
Não deu certo, vou embora.

Um imensurável tédio
Tomou conta de nós dois;
Posso até voltar depois,
Mas ficar, não há remédio!
Estou na porta do prédio,
Com um pé dentro outro fora!
Já vi que você não chora,
Eu também não vou chorar!
Fiz tudo para ficar
Não deu certo, vou embora.

Daudeth Bandeira, João Pessoa, janeiro de 2009
Blog de Leo Medeiros

Quando a porta do peito se fechou a saudade esqueceu a chave dela.

Mote enviado por Aluisio Lopes – São José do Egito-PE)

Fiz tudo pra tirar do pensamento
Certo alguém que outrora me deixou
Chegou de mansinho e se alojou
Nesse peito com falso juramento.
Sem demora saiu o casamento
Nós juramos amor numa capela
O padre nos benzeu, eu beijei ela
Mas a jura com pouco se quebrou
Quando a porta do peito se fechou
A saudade esqueceu a chave dela.

Todas as fotos com ela, eu rasguei
Nossa cama depressa eu dei um fim
Arranquei todas as plantas do jardim
Suas vestes bonitas eu queimei;
Feito um louco no mundo viajei
Procurando em vão essa donzela
O meu peito carrega uma seqüela
Tão profunda que o tempo não curou
Quando a porta do peito se fechou
A saudade esqueceu a chave dela.

Glosas: Léo Medeiros
Sobral, 02 de outubro de 2009.
Blog de Leo Medeiros

O crepúsculo do céu é tão bonito Que até Deus se debruça para olhar

(mote enviado por Josemar Rabelo)

Todo dia a santa natureza
Sem cobrar um centavo de couver
Mostra ao mundo que enquanto ela quiser
Dar seu show, sem ligar para despesa;
De manhã se reveste de beleza
Nasce o dia tão lindo e salutar
À tardinha, o sol pega a baixar
Se escondendo num ciclo infinito
O crepúsculo do céu é tão bonito
Que até Deus se debruça para olhar!

Uma tocha de fogo amarelada
Vai queimando as últimas labaredas
Os preás se escondem nas veredas
Nesse instante se cala a passarada;
Violeiro já canta em disparada
O cenário é propício para amar
Beija-flor se abriga no pomar
Morre o dia, a noite dar um grito
O crepúsculo do céu é tão bonito
Que até Deus se debruça para olhar!

Glosas: Léo Medeiros
Sobral, 08 de fevereiro de 2010.
Blog de Leo Medeiros

ESQUECI DE ESQUECER QUEM ME ESQUECEU - LEO MEDEIROS

Muitas vezes a gente se apaixona
Cai na onda dum falso juramento
Se encanta com pouco encantamento
Quando pensa que não, já foi à lona;
A verdade, pois quando vem a tona
Sofre mais, muito mais quem não merece
Eu já fiz a meu Deus tanta da prece
Foi em vão, pois meu rogo não valeu
Esqueci de esquecer quem me esqueceu
Porque sei que quem ama não esquece.

Sou um pobre mortal, que ainda tem
Mil razões e motivos para amar
Já chorei, já menti, já fiz chorar
Pratiquei muitos males, fiz o bem
Abriguei neste peito certo alguém
Que lembrando, o mesmo, adoece;
O suor, pinga frio, e a dor cresce
Avisando, dum caso que morreu
Esqueci de esquecer quem me esqueceu
Porque sei que quem ama não esquece.

Mote e Glosas: Léo Medeiros
Sobral, 22 de setembro de 2009.
Blog de Leo Medeiros

ESQUECI DE ESQUECER QUEM ME ESQUECEU

Você só me ensinou a te gostar
Entre dois pesos só achei uma medida
E como é que resolvo a minha vida
Se nessa conta só aprendi somar
Pois você esqueceu de me ensinar
Já é tarde não aprendo nem se quisesse
Nessa falha só meu peito é quem padece
Pois não consigo dividir você e eu
Esqueci de esquecer quem me esqueceu
Porque sei que quem ama não esquece

Nunca fui muito bom pra calcular
Pra saber o produto de tal conta
Vem você no meu peito e apronta
Sem saber o resultado que vai dar
Fiquei na divida com a conta pra pagar
E o coração no vermelho do estresse
Se wosvald de Souza bem soubesse
Não queria estar no lugar meu
Esqueci de esquecer quem me esqueceu
Porque sei que quem ama não esquece

(Autor:Mario Almeida), Serra Talhada 30 de novembro 2010